sexta-feira, 8 de março de 2019

Carta do Professor da UERN, Francisco Canindé aos educadores Angicanos.

Angicos/RN, 18 de fevereiro de 2019 (Início de noite, de uma segunda-feira de verão com chuvas...)
Educadores angicanos, uni-vos!
Caríssimas e caríssimos, reconheço que no ápice de minha idade e toda a experiência perfilada até aqui, a carta parece ser um instrumento já um tanto quanto inadequado. Os correios eletrônicos e as mídias atuais aproximam e tornam mais rápidas as informações, pessoas, e todo um conjunto de ações. Mas, parto de um exemplo aprendido com Paulo Freire em Cartas a Cristina: reflexões sobre minha vida e minha práxis, livro que estou lendo cuidadosamente para aprender acerca da filosofia FREIRE. Aprendi também, com o exemplo de Professora Sim, tia não: cartas a quem ousa ensinar (esse livro já li inúmeras vezes), que a carta tem sua magia comunicativa, e por isso faço essa aposta, nesse começo de noite, nesta modalidade textual. Escrevo esta carta com o mesmo sentimento que escrevi cartas para Bia, mulher moradora da comunidade de Pataxó quando seu marido teve que ir para São Paulo em busca de uma vida melhor. Como muitos nordestinos, esse sonho foi impedido pela violência que atinge essa população em outro lugar que não é originalmente o seu. Escrevo, como quem testemunha a experiência feita em educação, até aqui, neste momento.

Nesta carta, apresento a todos vocês, um pouco de vocês e do que conseguimos capturar ao longo de nossa estada neste município. Apresento, portanto, um projeto que é mais uma aposta, no sentido utilizado pelo filósofo Edgar Morin, do que propriamente uma estratégia de trabalho.

O chamamento para uma educação angicana, pública, laica, gratuita, de qualidade e democratizante é o desejo profundo da Secretaria de Educação deste município para o biênio 2019-2020. ReconhecerPotencializarValorizar é a tríade filosófica que estamos assumindo para este período com todos vocês – professores, coordenadores, pais, ASG, diretores, vigilantes, familiares e comunidade.

Reconhecer os existentes invisibilisados pela lógica hegemônica exige de cada um de nós um olhar cuidadoso e responsável para com todas as existências, especificamente aquelas indiciárias. Existem, mas não são vistas e reconhecidas em sua grandeza.

O que reconhecer? A partir dos diferentes espaços-tempos cotidianos perceber-destacar, como nos ensina Paulo Freire, práticas que vem enlaçando, tais como: a reorganização de materiais didáticos, o reaproveitamento de sucatas; maneiras não-autorizadas de agrupamentos; o uso do corpo quando a lógica matemática imposta não produz sentidos; o nó em pingo d’água; os momentos de “se vira nos 30”; “fazer das tripas, coração”, etc. Tudo precisa ser desinvisibilizados, ou seja, tornado existente.

O segundo princípio filosófico, potencializar, tem relação direta com o primeiro, e refere-se aos diferentes saberes-fazeres-poderes que os angicanos articulam em suas especificidades. Antes, porém, é preciso dizer o que estamos concebendo por este princípio. Com ajuda do sociólogo português Boaventura de Sousa Santos (seu nome já é carregado de beleza) afirmamos que potencializar é dilatar, amplificar no tempo presente os existentes, agora desinvisibilizados, como possíveis.

Neste sentido, perguntamos: o que potencializar-dilatar no tempo presente? Uma das respostas que nos parece mais coerentes é partir daquilo que Freire nomeia de “experiência feita” – conjunto de práticas produzidas cotidianamente pelos sujeitos para além da lógica hegemônica.

O terceiro princípio filosófico, valorizar está relacionado diretamente ao princípio ontológico freireano o “ser mais”. a valorização que pretendemos, a partir deste nosso projeto educativo é investir no humano, em suas zonas de desenvolvimento proximal, de tal maneira que o já sabido passe intenso e permanente processo de transformação e libertação humana. É preciso valorizar as soluções positivas, invencionadas por todos os educadores em fazeres cotidianos.

Nesta altura do texto, vocês devem estar se perguntando como é possível Reconhecer – potencializar – Valorizar desde dentro, de dentro e por dentro de nossas escolas os diversos e diferentes saberes-fazeres-poderes existentes-possíveis?

Inicialmente, acredito que um caminho a ser feito é produzir um documento curricular que nos identifique e que nos ajude a tecer o processo educativo local. Fabricar nosso currículo, no sentido certeuniano, é produzir nossa existência de maneira autêntica, identitária e legitimando o que somos e o que podemos vir-a-ser.

Pensando por esta perspectiva, de produzir/fabricar nossa existência identitária, não podemos continuar invisibilizando uma das mais robustas experiências de educação brasileira trançada neste torrão – A experiência das 40 horas. Paulo freire inaugurou, aqui, um processo educativo que mais tarde seria reconhecido por muitos brasileiros, ocidentais e orientais como a Pedagogia do Oprimido; Educação como prática de liberdade; A importância do ato de ler; Professora sim, tia não; Pedagogia da Indignação; Pedagogia da Esperança; Pedagogia da autonomia e tantos outros textos encarnados nesta experiência que se potencializou em várias outras culturas.

Pensar um documento curricular municipal que agregue, mesmo que inicialmente essa reflexão antropológica freireana nos coloca o desafio de explicitar o que estamos concebendo por currículo, e com quem nos arriscamos a dizer o que dizemos.

Um mineiro arretado, chamado de Tomaz Tadeu da Silva tem nos ensinado que currículo é vida, e que se produz nas diferentes trajetórias – autorizadas e não-autorizadas. Ou seja, tudo aquilo que fazemos-pensamos no percurso de nossas vidas, inclusive na escola, mas não somente nela, implica e se traduz como currículo, por que nos articula, nos informa, nos tece, nos enlaça e nos forma.

Paulo Freire, nunca escreveu sobre currículo. Não identificamos em sua vasta obra nenhum registro específico. Contudo, aprendemos com suas experiências, inclusive a experiência das 40 horas, de que os currículos são gerados nos e pelos contextos locais, sem excluir os regionais, nacionais e internacionais.

Tomemos por exemplo, o que Paulo Freire e alguns estudantes da UFRN fizeram no início dos anos 60, nesta cidade. Inicialmente, eles leram os percursos e trajetórias de adultos sem os processos de alfabetização inicial. Em seguida, com estes mesmos estudantes problematizou cada um dos saberes apreendidos no percurso, sistematizando-os em temas geradores, para depois, nos círculos de cultura produzirem as conectividades que proporcionariam a passagem de um estágio de não alfabetizados para um outro de alfabetizados.

Assim, senhoras e senhores, pensar um documento curricular municipal que se reconecte a essa proposta antropológico-filosófica freireana nos coloca, como urgentes, alguns movimentos dialéticos e dialógicos, tais como:

É preciso cartografar-ler os cotidianos sociais e educativos de nosso município, a fim de desinvisibilizar existentes. Para isso, sugerimos com a educadora Nilda Alves realizar o mergulho profundo e com todos os sentidos nos espaços-tempos de uso dos praticantes da escola. Ou como diria o próprio Freire “entregar-se de vez em quando a um profundo recolhimento” a fim de traduzir melhor as tensões e possibilidades que constituem o jogo cotidiano.

O mergulho profundo, com todos os sentidos, possibilitará a captura de práticas diversas, denominadas por Freire de percebidos-destacados e, por conseguinte parteja-los: fazer o parto, transformando-os em inéditos-viáveis.

É dessa matéria – dos percebidos-destacados e dos inéditos-viáveis que podemos elaborar um documento curricular municipal, autêntico. A autenticidade não advém de projetos externos as nossas utopias, como vem se configurando a BNCC. O nosso projeto educativo autêntico respeita e reconhece a importância da BNCC, mas tem nos ensinado a curriculista Elizabeth Macedo que só é possível vê-la sob rasura e entende-lo como um projeto viabilizador de uma lógica indolente que marginaliza saberes locais provocando o que o Boaventura Santos denomina de epistemicídio – a morte da identidade local.

Você devem estar lembrados da saudação inicial com a qual iniciei a leitura desta carta: Educadores Angicanos, uni-vos! Deve se constituir premissa que nos impulsione ao trabalho educativo escolar para este anos e os vindouros. Sabemos e reconhecemos a arte que tem cada um de vocês têm – queremos dilatá-la amorosamente.

Podemos fazer isso juntos, com a força, a estampa e a experiência de parceiros: familiares, comerciantes, religiosos, microempreendedores, artesãos, associações, universidade (UERN, UFERSA), DIREC e toda a comunidade.

Reforçamos ainda, embora não pareça necessário, dada a evidência da intensa participação, conclamar o Prefeito Deusdete Gomes a continuar investindo intensamente no cuidado e zelo com a educação deste município. Vossa Excelência sabe que o reconhecimento, potencialização e valorização da educação dependerá, também de seu gosto e responsabilidade com os munícipes.

Por fim, agradecer a todos vocês pela escuta sensível e mais uma vez convocá-los para a realização de um trabalho decente que produza em todos nós a emancipação humana que tanto buscamos.

Abraço fraterno, aguardo resposta!
Francisco Canindé da Silva


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Administrador

Minha foto
Estudante do Curso - Bacharelado em Administração, apresentador do Programa Radiofônico Celebrando à Cristo da Igreja Evangélica Assembléia de Deus em Angicos, Redator da Coluna "Giro pela Cidade", Titular do Blog Angicos Noticias e blogueiro!